domingo, 7 de agosto de 2011

A 66ª AGO da Confrateres e 1ª Escola de Obreiros


Confrateres movimenta cidade pomerana

SAIU A EDIÇÃO 58 PARA VISUALIZAR ENTRE NO LINK DO LADO DIREITO-  EDIÇÃO 58 AGOSTO. ESTAMOS DISTRIBUINDO NAS LIVRARIAS, NAS IGREJAS, E CONVENÇÕES.

ACABAMOS DE CHEGAR DA 66ª AGO DA CONFRATERES EM SANTA MARIA DE JETIBÁ.
DEUS DERRAMOU O ESPÍRITO SANTO SOBRE O EVENTO, ATRAVÉS DAS MENSAGENS MINISTRADAS NA ESCOLA BÍBLICA E NOS EVENTOS DA UFADECES. NO ENCERRAMENTO NA NOITE DE SÁBADO, APÓS A MENSAGEM DO PASTOR EDVAN LOPES, VÁRIAS PESSOAS FORAM BATIZADAS E RENOVADAS COM O ESPÍRITO SANTO.
Pr. Joel N. Freire

CULTOS DA NOITE DE SEXTA E SÁBADO, FORAM TRANSMITIDOS AO VIVO PARA A GRANDE VITÓRIA ATRAVÉS DA RÁDIOTRIBUNA AM 590, PELO PASTOR JOEL (A Notícia)

Pr. Ivan Bastos - presidente da CONFRATERES



Membros da Mesa diretora, ministros convencionais e suas esposas, união feminina, obreiros e  membros das Assembleias de Deus do Espírito Santo e estados vizinhos comparecem em massa, lotando hotéis e pousadas da cidade de Santa Maria do Jetibá/ES,  para acompanhar a programação da 66ª Assembleia Geral da Confrateres – Convenção Fraternal de Ministros das Assembleias de Deus do Estado do Espírito Santo, que aconteceu nos dias 12 e 13 de agosto, no Ginásio de Esportes Herman Roelke e no templo  da  Catedral da Assembleia de Deus Nova Jerusalém, situada à rua Henrique Potratz, 444,  em Santa Maria do Jetibá.



A Igreja é liderada pelo pastor Rodrigo Pereira Pires.

BREVE HISTÓRICO DO Pr. RODRIGO

Em 2008 o pastor Rodrigo Pires chegou com  sua família para trabalhar na cidade de Santa Maria de Jetibá. Passado alguns dias,  após sua mudança, algumas pessoas souberam que aquele moço recém chegado à cidade,  era um pastor evangélico que havia decidido a não mais pastorear. Mesmo sabendo desta decisão pessoal, muitos insistiam para que ele realizasse orações e cultos nos lares. Foi assim que começou um trabalho muito abençoado.   Mesmo sem que o pastor Rodrigo tivesse esse objetivo, Deus novamente o colocava à frente de um trabalho, ainda que pequeno. Aquelas orações e cultos abençoados começaram a despertar nas pessoas um desejo de alugar um local para que o povo, que já não cabia em uma sala pequena, se reunisse em um local maior. Neste tempo o pastor Rodrigo já contava com uma assistência considerável, e o apoio de muitos irmãos, entre eles, João Francisco Gomes, um grande companheiro que  uniu-se ao pastor para encontrar um local adequado para juntos fazerem esta obra tão abençoada.  Então teve início uma procura por um local ideal para reunir. Porém esbarraram em alguns obstáculos, e um deles era a falta de condição financeira para alugar um imóvel. Nesse período, Deus enviou a resposta através de uma senhora chamada Ana. Que procurou o pastor e contou a cerca de um desejo antigo de sua mãe, que era o de construir uma igreja em seu terreno. E então naquele momento ela disse ao pastor que construiria uma igreja em um prazo de 60 dias e lhe entregaria para que ele pastoreasse. O obreiro João, recebeu mais uma missão importante, a escolha do nome da igreja. Quando pedia a Deus a direção para a escolha, em uma de suas viagens para Vitória-ES, Deus deu ao irmão João a visão de um nome, “Nova Jerusalém”. Hoje o evangelista João é conselheiro, e vice–presidente da igreja. Foi  assim que surgiu o nome para aquela congregação. Um trabalho que até então era realizado em algumas casas e numa sala, agora tinha crescido e já era uma igreja estabelecida. Passados os 60 dias para a construção do templo, veio a inauguração, em setembro de 2006. E ali começava oficialmente a Igreja Assembleia de Deus Nova Jerusalém. Em todos os cultos realizados o pastor Rodrigo ensinava a importância da entrega da vida a Jesus. Devido aos ensinamentos muitas pessoas se conscientizaram e decidiram descer as águas. Então o pastor realizou o primeiro batismo. O primeiro culto de Missões contou com a presença do pastor Luke, da Nigéria  Com o crescimento da igreja vieram também as grandes campanhas de libertação às sextas-feiras, o culto de ensinamento da palavra de Deus às quartas-feiras, cultos de jovens, onde jovens vieram de todas as partes para louvar e adorar a Deus, formando o Grupo de Jovens. Destacamos ainda, a Escola Dominical e os grandes e avivados cultos de louvor e adoração aos domingos. Conforme o crescimento da igreja veio à necessidade de se criar um trabalho especial para as crianças, pois, à medida que crescia o numero de pessoas na igreja também crescia o numero de crianças que acompanhava seus pais aos cultos. Deu-se então inicio do trabalho da Escola bíblica Infantil, onde as crianças recebem o ensinamento da Palavra de Deus, durante os cultos.

O pastor Rodrigo Pires  também nos relatou sobre outros fatos importantes que por falta de espaço não podemos relatar, como as perseguições e ameaças de morte que recebeu no início desta obra. Teve até a mão quebrada, por alguém que mais tarde foi alcançado pelo evangelho através das orações e do seu ministério.

Atualmente,  filiado a Convenção CONFRATERES, o pastor Rodrigo tem o prazer de ser o líder  da Igreja anfitriã, nesta 66ª AGO, recebendo ministros que chegam de todas as partes para participar da  Primeira Escola de Obreiros realizada pela Convenção, que entrará para a história da Confrateres e das Assembleias de Deus do Espírito Santo.



66ª AGO DA CONFRATERES E 1ª ESCOLA BÍBLICA PARA OBREIROS  MOVIMENTOU SANTA MARIA DE JETIBÁ


Ginásio Herman Roelke e o templo da AD Nova Jerusalém, onde aconteceram os eventos.

O evento contou com a participação dos seguintes preletores: Pr. Benhour Lopes, Pr. Jander Magalhães, Pr. Gedimar de Araújo, Pr. Edvan Lopes, Missª. Marta Azevedo e Prª. Ana E. Ferreira. O louvor teve a participação do Coral Aliança, da Ufadeces, a Orquestra da AD em Campo Grande, cantora Deise do Vale, Lauriete, Jorge Binah, Anita Reis e outros.

A Escola Bíblica para obreiros aconteceu no Ginasio, enquanto que as irmãs da Ufadeces,  reuniram-se simultaneamente na Catedral da AD Nova Jerusalém. A grande novidade deste evento foi a transmissão ao vivo através de link com a Rádio Tribuna AM e pela Internet com a Manancial FM.

Pr. Joel N. Freire, se empenhando
 para divulgar a Confrateres




O pr. Joel N. Freire disponibilizou um link na sexta e no sábado, para que os irmãos na grande Vitória pudessem acompanhar o evento através da Radio Tribuna AM 590. O programa também foi ouvido através deste blog anoticiaonline.blogspot.com e pelo site da Rede Tribuna. O irmão Sebastião Soares,  designado para coordenar o evento,  demontrou grande dinamismo no cumprimento desta missão;

"Há uma expectativa maravilhosa em relação ao evento. É difícil organizar em curto prazo, um evento desse porte,  mas Deus até aqui tem nos ajudado. Mesmo que no início não houvessem recursos para garantir a sua realização, contamos com a mobilização da igreja local,  o apoio do pastor Rodrigo e da Convenção. Nos empenhamos buscando recursos junto a iniciativa privada,  patrocinadores e colaboradores e o que parecia impossível se concretizou; conseguimos levantar recursos e meios para atender aos nossos irmãos e cobrir a demanda do evento”, disse Soares. Embora a Confrateres já tenha realizado 66 ajuntamentos de ministros desde que foi criada em 1983. É a primeira vez que uma convenção das Assembleias de Deus realiza Assembleia Geral na cidade.  As duas últimas reuniões, realizadas em São Gabriel da Palha e Rosa da Penha - Cariacica,  respectivamente,  registrou-se a participação maciça de ministros, além da presença de autoridades e o povo em geral.  O pastor Ivan Bastos, presidente da Convenção, o pastor Rodrigo e a pastora Saara Bastos, presidente da Ufadeces saúdam a todos com boas vindas.


Confira a programação:

Sexta-feira 12 de agosto de 2011
Local: Ginásio de esportes Herman Roelke 

19:00 horas—Abertura oficial com o pastor Ivan Bastos

20:00 horas—Apresentação do coral das irmãs (Aliança da Ufadeces) 
20:30 horas—Participação da cantora Deise do Vale SP, Anita Reis ES e cantores CONFRATERES 
21:00 horas Mensagem com o pastor Benhour Llopes - RS 
23:00 horas—Encerramento 

Sábado - 12 de agosto de 2011
manhã—Ginásio de esportes Herman Roelke 
07:00 horas—Café da manhã para os congressistas 
09:00 horas- Abertura da 1ª escola de obreiros da CONFRATERES – Pr. Ivan Bastos 
10:00 horas- Mensagem com o pastor Gedimar de Araujo-ES 
11:30 horas—Almoço para os congressistas 

tarde sábado 13 de agosto de 2011
local: Catedral Nova Jerusalém 
14:00 horas - Mensagem com a missionária Marta Azevedo “A beleza de ser mulher”. 
15:30 horas Mensagem com a pastora Ana E. Ferreira “Educação de filhos” 

local—Ginásio de esportes Hermann Roelke 
14:00 as 16:30 três mensagens com o pastor Jander Magalhães 
16:30 horas—Encerramento das programações do dia 
17:30 as 18:30 horas—Jantar para os congressistas 

Sábado a noite 13 de agosto de 2011
local: Ginásio de esportes Hermann Roelke 
19:00 horas—Culto evangelístico com louvor e adoração 
20:00 horas—Apresentação do coral das irmãs (Aliança Ufadeces) 
20:30 horas Participação da cantora Deise do Vale - SP, Anita Reis - ES e Cantores CONFRATERES 
21:00 horas- Mensagem com o Pr. Edivan Lopes - GO 
23:00 horas—Encerramento

Mais informações na edição impressa do jornal A Notícia - Agosto 2011


Conhecendo melhor a cidade pomerana capixaba.




Ginásio é homenagem ao primeiro pastor de Santa Maria de Jetibá


O Ginásio que recebeu a 66ª AGO da Confrateres é denominado Hermann Roelke. Este é o nome do pastor que por mais tempo permaneceu a frente da Igreja Luterana, cujo trabalho foi fundamental para a comunidade pomerana. Na ausência do Estado que, na fase inicial da colonização e por muitos anos depois omitiu-se completamente dos problemas enfrentados pelos imigrantes, a Igreja Luterana ocupava o lugar do governo e sempre teve um papel decisivo no destino dessa comunidade.

Os luteranos foram que construíram a primeira igreja e celebraram o primeiro culto em Santa Maria, em 1882,  na localidade de São Sebastião. A igreja não era só fator de disciplina, servia de escola, prestava assistência médica e contribuía para os rumos da agricultura. Por 40 anos, Hermann Roelke comandou a Igreja de Santa Maria de Jetibá, buscando soluções para as doenças graves que atingiam os pomeranos. Ele morreu no final dos anos 70, deixando seis filhos e 17 netos, entre eles Helmar Potraz: o primeiro prefeito de Santa Maria. (fonte: Século Diario).
O QUE DISSERAM AS AUTORIDADES SOBRE O EVENTO: 



Palavra do Prefeito de Santa Maria
HILÁRIO ROEPKE






“É com muita alegria que recebemos em nosso Município este evento que já é um marco na história das Assembleias de Deus no Estado do Espírito Santo . Quero parabenizar a CONFRATERES e a  Catedral Nova Jerusalém, e desejar aos seus Ministros e congressistas,  um abençoado congresso”.
HILÁRIO ROEPKE, Prefeito Municipal

 
Palavra do deputado Atayde Armani 

 
“Saudamos a todos os ministros convencionais e membros da Assembleia de Deus pela celebração dos 100 anos de fundação das Assembleias de Deus no Brasil e parabenizamos o município de Santa Maria de Jetibá por receber a 1ª Escola para Obreiros e a 66ª Assembleia Geral da Confrateres, desejando a todos pleno êxito neste grande evento”
Deputado Atayde Armani

História do Município

Devido a guerra e o processo de revolução industrial que gerou muito desemprego e miséria por toda a Europa, o povo pomerano viu-se obrigado a imigrar. Deixaram a Europa e chegaram à região serrana do Espírito Santo a partir de 1859. Em terras capixabas puderam novamente sonhar com uma vida melhor e reconstruir as suas vidas. Com muito trabalho e determinação venceram todos os desafios que a vida impôs, e foram protagonistas de uma das mais belas histórias já vistas. Apresentamos aqui um pouco desta história:



A Pomerânia, está atualmente parte em território polonês e parte (bastante pequena) na atual Alemanha. Descendentes de uma mistura de germanos com eslavos oriundos de regiões antigamente ocupadas pelos celtas, os pomeranos habitavam uma província da forte Prússia do século XVIII, quando a província foi  devastada pela Segunda Guerra Mundial. No final da guerra, uma pequena parte da Pomerânia ficou na Alemanha Oriental então controlada pela União Soviética e grande parte foi dada a Polônia. Os pomeranos foram expulsos de suas casas e propriedades e a maioria fugiu com apenas o que podia carregar. Muitos se refugiaram na Alemanha Ocidental e muitos também emigraram para os EUA, Brasil e Austrália. Dos descendescendentes de pomeranos que emigraram para o Brasil, são parcela considerável em Santa Catarina (cerca de 300 mil em 2006) em especial na cidade de Pomerode, onde lutam para preservar sua cultura e a língua pomerana. No estado do Espírito Santo estima-se uma população de 120 mil descendentes de pomeranos, a maior concentração depois da de Santa Catarina, Os municípios de Santa Maria de Jetibá e Vila Pavão são reconhecidos como os municípios que mais preservaram a cultura pomerana, além de Laranja da Terra, Afonso Cláudio e Domingos Martins .


Veja o trailer Trajetória de um povo:





A origem do povoamento da região de Santa Maria de Jetibá foi decorrente do processo de colonização que se iniciou com a fundação da Colônia de Santa Leopoldina, situada às margens do rio Santa Maria da Vitória, entre a Cachoeira Grande e a Cachoeira José Cláudio, onde foi demarcada, em 1856, uma extensão de terra de quatro por quatro léguas, para abrigar os primeiros imigrantes europeus que chegaram ao Brasil. Os primeiros colonos suíços, em número de 60,  instalaram a sede da colônia dentro da área demarcada, às margens do rio Santa Maria da Vitória, quatro milhas acima da Cachoeira do Funil, no lugar ainda hoje denominado Suíça, em homenagem a esses imigrantes. A colônia, então passou a ser considerada Colônia de Santa Maria.

No ano seguinte, 1857, chegaram  mais 222 imigrantes, constituídos por alemães e luxemburguenses, de lugares como a Renânia e West Gália. Uma parte dos imigrantes se estabeleceu em um povoado denominado Cachoeira de Santa Leopoldina, o povoado foi o mais se desenvolveu se tornando a sede em 1867. A Colônia tinha terras elevadas e férteis e pouca distância da Capital da Província do Espírito Santo, com a qual se comunicava pelo rio Santa Maria da Vitória. A fertilidade das terras não era, porém, igual em território da Colônia. O relevo, em geral montanhoso, exigiu, então, que fossem cultivadas as terras situadas nos vales dos rios e córregos afluentes ao rio Santa Maria da Vitória.

A penetração na região se estendeu, por isso, um pouco para o Norte, na direção dos rios Timbui e Cinco de Fevereiro. Em 16 de maio de 1873, imigraram para a Colônia de Santa Leopoldina 413 Pomeranos, e, ainda neste mesmo mês, chegaram mais 366 Pomeranos, todos luteranos. Neste período, também chegaram algumas famílias procedentes da Saxônia, que vieram com o firme propósito de se estabelecer e criar bases na mesma. No ano de 1876, foi a Colônia ampliada para o Norte, na direção do Rio Doce e Piraquê-Açu.

Com a entrada de novos imigrantes, em 1877, uma parte dela tomou a denominação de Conde D”Eu, hoje, Ibiraçu. À margem do rio Tambuí foi fundada uma povoação, que recebeu o nome de Santa Teresa, atualmente sede do Município do mesmo nome. A população da Colônia de Santa Leopoldina prosperou acentuadamente no ano de 1878 e se atingiu uma população de, aproximadamente, 7000 habitantes. Desta forma, podemos constatar que a colonização de toda a área compreendida pelos Municípios de Santa Teresa, Ibiraçu e Santa Leopoldina, teve como pólo irradiador a cidade de Santa Leopoldina, na altura também chamada de Cachoeiro e Cachoeiro de Santa Leopoldina. Após a I Guerra Mundial, a imperatriz Maria Teresa, esposa de D. Pedro II, de origem austríaca, promoveu a vinda de uma grande leva de Pomeranos que desorientados com o pós-guerra, o desmantelamento dos principais feudos, a queda de muitas casas reais e a conseqüência da nova ordem político-territorial implantada na Europa e o desaquecimento de algumas regiões e países, resolveram imigrar para outros continentes. Após sua chegada ao Brasil, no ano de 1873, a maioria dos Pomeranos se estabeleceu nas regiões ainda hoje denominadas de Luxemburgo e Jequitibá, na Colônia de Santa Leopoldina. Na década seguinte, parte desses imigrantes se dirigiu para a Região de Santa Maria de Jetibá. Eram, principalmente, Pomeranos, mas também havia imigrantes oriundos das regiões do Reno e de Hessen, na Alemanha, de Luxemburgo e da Holanda, que iniciavam, assim, uma segunda etapa do processo de imigração.

Apesar da diversidade de origem desses imigrantes, todos foram religiosa e socialmente assimilados pela cultura Pomerana, já que se constituía maioria. Como era usual entre os Pomeranos, foi providenciada a instalação de uma escola, uma capela e uma pastoral, precedida pela demarcação do cemitério, em 1879.

Três anos mais tarde, já estava concluída a construção da escola que servia igualmente como capela para a comunidade celebrar os seus cultos. Inaugurada em 1882, com a celebração do primeiro culto em Santa Maria, essa igreja foi construída na localidade hoje denominada São Sebastião.

As principais famílias que se instalaram na região, foram: Klens, Henke, Berger, Foesch, Boldt, Hackbart, Bausen, Kosanke, Ruge, Siebert, Holz, Kruger e Seick.



A adaptação desses imigrantes não foi muito fácil. Tentaram implantar as culturas de seus países de origem como o trigo e não foram bem sucedidos. Uma fábrica de cerveja instalada por Germano Berger, a partir do trigo, funcionou durante algum tempo. Muitos desistiram, indo se instalar em outras regiões, normalmente de terras mais quentes como as do Norte do Estado do Espírito Santo, que acreditavam ser melhor para a lavoura e para habitação. Alguns deles estão hoje retornando à região de Santa Maria de Jetibá, depois que o desmatamento e a posterior seca esgotaram as terras outrora consideradas produtivas. A comunidade Pomerana do interior permanece, ainda hoje, com alguns dos costumes dos seus países de origem, sendo o mais conhecido a celebração dos casamentos, com várias cerimônias típicas se desenrolando durante três dias.

Parte da comunidade ainda se comunica através da língua Pomerana, precisando, em certas ocasiões, da intermediação de intérprete, principalmente quando precisam vir à Sede do Município para fazer as suas compras ou utilizar-se de alguns serviços.

A preservação da cultura e da Língua dá ao visitante a impressão de estar ainda no início da colonização. Ao passar pelas ruas e avenidas da cidade o visitante encontrará a população autóctone se comunicando em pomerano. Santa Maria de Jetibá é um dos poucos lugares no mundo onde ainda se usa a língua pomerana.


Em  meados de 1870, quando acontecia a unificação alemã, o povoado da província Pomerânia sofria com as disputas por conquistas territoriais entre a Alemanha e países vizinhos e, grande parte da população existente nesse território, resolveu buscar uma nova vida na América. Nesse período, parte do povoado pomerano migrou para o Brasil e, no Espírito Santo, concentraram-se na região das montanhas, principalmente, em um altiplano localizado na colônia de Santa Leopoldina, chamado Jequitibá. O município de Santa Maria de Jetibá foi criado no dia 6 de maio de 1988, através da Lei Estadual n° 4.067, com a participação efetiva do então prefeito de Santa Leopoldina, Helmar Potratz, que atendendo aos anseios da população, se engajou na luta pela emancipação. Atualmente, o município é um dos núcleos mais populosos do povo pomerano no mundo. Situado na região serrana, o município possui uma área de 734 Km² e está a 80 Km da capital, além de possuir uma altitude variável de 400 a 1300 metros.


A preservação da língua e da cultura pomerana pelos habitantes de Santa Maria de Jetibá impressiona os turistas que com a ajuda do clima frio, parecem estar em um pedaço da Europa.Com um dos melhores climas do mundo, Santa Maria de Jetibá possui um povo trabalhador e ordeiro, preocupado em manter suas tradições. Santa Maria de Jetibá possui hoje a melhor estrutura agrária do Espírito Santo e uma das melhores do Brasil. Importante pólo de produção primária, assentado, principalmente, na avicultura, olericultura e cafeicultura, Santa Maria de Jetibá é o maior pólo avícola do Estado e segundo produtor de ovos do país, possuindo um plantel de 4 milhões de aves poedeiras.

A avicultura está sustentada em bases tecnológicas apropriadas e modernas, dirigida por empresários locais, que são responsáveis pela produção de 2,8 mil ovos/dia. Parte da produção avícola vem de pequenos agricultores, organizados em uma cooperativa, que fornece todos os insumos a assistência técnica e orienta a comercialização, dos quais 130 associados avícolas produzem 840 mil ovos/dia. A olericultura representa a atividade mais bem distribuída no município, praticamente alcançando 80% das 3 mil propriedades familiares existentes. A diversificação de culturas é muito grande, destacando-se as produções de chuchu, repolho, cenoura, beterraba, couve-flor, pimentão, vagem, pepino, abobrinha, alface, alho e tomate. A região representa uma produção de cerca de 40% de hortigranjeiros que se consome na grande Vitória, além de alcançar mercados de Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro. A produção de olerícolas do município tem variado em torno de 120 a 140 mil toneladas anuais. No ramo da olericultura, atualmente, se incrementa e aperfeiçoa a produção de olerícolas pelo processo orgânico.

A cafeicultura também é atividade importante na região, bem distribuída entre as propriedades rurais, abrangendo 2 mil agricultores, com uma produção aproximada de 90 mil sacas de café ao ano. Devido às boas condições, tanto climáticas como de produção, e à proximidade com diversos centros consumidores, outras atividades têm despontado como a produção de mel, a psicultura, a floricultura, a fruticultura, a produção de tubérculos, a agroindústria e o turismo.


Quer ver mais notícia da Assembleia de Deus? Adquira já a edição impressa e anuncie na próxima edição.





Nenhum comentário:

Postar um comentário